ONU quer evitar surtos de sarampo e poliomielite em 2021 e 2022

De acordo com anúncio feito nesta sexta-feira (06), agências das Nações Unidas querem evitar surtos de doenças contagiosas em 2021 e 2022. As interrupções em campanhas de imunização de sarampo e poliomielite se devem pela pandemia do covid-19. Essas interrupções deixam milhões de crianças desprotegidas com risco de doenças fatais e enfraquecedoras.

Emitindo um pedido urgente de financiamento para evitar epidemias de doenças contagiosas, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), que são relacionadas à Organização das Nações Unidas (ONU), disseram que são necessários US$ 655 milhões (cerca de R$ 3,6 bilhões) para resolver “perigosas lacunas de imunidade” em países pobres e de renda média.

“Não podemos permitir que a luta contra uma doença mortal nos faça perder terreno na luta contra outras doenças”, pronunciou a diretora-executiva do Unicef, Henrietta Fore, em comunicado. Fore afirmou que os US$ 655 milhões necessários incluem US$ 400 milhões para a vacinação contra poliomielite e US$ 255 milhões para campanhas contra o sarampo.

No planeta, o sarampo ressurgiu nos últimos anos, com surtos ainda acontecendo em todas as partes do mundo. As lacunas na cobertura da vacinação aumentaram em 2020 por conta do novo coronavírus. A OMS informou que os dados sobre as taxas de mortalidade por sarampo em 2019, que devem ser divulgados nesta semana, “mostrarão o número negativo contínuo que os surtos sustentados estão tendo”. Já em relação a poliomielite, o número de casos no mundo foi reduzido a níveis bastante baixos antes da pandemia. Porém, a transmissão do vírus deve aumentar no Paquistão e no Afeganistão e em áreas da África onde as taxas de vacinação contra a poliomielite caíram.

Fonte: CNN Brasil – texto de Reuters – 06/11/2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *